Poesia Completa

Em ordem alfabética:
  1. < ou >?
  2. (sem título)
  3. 1893-1998
  4. 192
  5. 3 anos de poesia, uma trilha sonora
  6. A 1º grande agonia pós-duvidistas
  7. A 2º grande agonia pós-duvidistas
  8. A anti-psicologia dos livros de poesia
  9. A carta castelo
  10. A cumplicidade de Ramon
  11. A escadaria
  12. A festa do homem
  13. A formiga e a culpa
  14. A moça do brejo
  15. A N
  16. A poesia de suas mãos, de minha boca e dos pensamentos de um de nós ou dos dois 
  17. A poesia do muxoxo
  18. A possibilidade de um Alberto Caieiro concretista
  19. A preocupação de minha mãe
  20. A triste vida de Ann Nothing
  21. a666othing
  22. Acdd
  23. Acerca do dia que Monsieur Breton foi acometido por uma câimbra de nó borromeano
  24. Ah!
  25. Allan Kardec, Lacan
  26. Amor às letras da Cecília de poesia
  27. Amor trans-histórico
  28. Andaimes de bolas de sabão
  29. AnFn NothinF1 and The Big-world of Micro-soft
  30. Ann Nothing abre uma fiat lux
  31. Ann Nothing Anything
  32. Ann Nothing Binary Digit
  33. Ann Nothing in rainbows
  34. Ann Nothing is vanishing
  35. Ann Nothing masca Ping-Pong e admira Masseter Suite
  36. Ann Nothing Missing
  37. Ann Nothing Spam
  38. Anverso
  39. Aplausos
  40. Às vezes...
  41. Auto-viação Progresso
  42. Backspace
  43. Blasfêmias
  44. Caquicajáemshangrilá
  45. Carta de amor lacaniana
  46. Chuva de tags
  47. Coceiras nas costas dos olhos: #02 
  48. Coceiras nas costas dos olhos: #04 
  49. Coceiras nas costas dos olhos: #05 
  50. Coceiras nas costas dos olhos: #08 
  51. Coceiras nas costas dos olhos: #10 
  52. Coceiras nas costas dos olhos: #13
  53. Coceiras nas costas dos olhos: #16 
  54. Coceiras nas costas dos olhos: #17
  55. Coceiras nas costas dos olhos: #19 
  56. Coceiras nas costas dos olhos: #20 
  57. Coisa analfabetizando-se
  58. Coloco-lhe no meu coração...
  59. Como enxergar o sujeito
  60. Como pena que cai
  61. Como una mariposa, me voy
  62. Compulsive Disorder Sharing
  63. Condensação e sublimação
  64. Curioso como as coisas... (Série Poesias Velhas Achadas)
  65. Da leve insignificância
  66. Desdisfarce
  67. Desenterro
  68. Desistência fúnebre
  69. Deus-Pulsão
  70. Diet poet
  71. Discurso do tutor da poesia de amor (prelúdio para futuras poesias de amor)
  72. Do Dia do Poeta
  73. Dos verbos, um dos mais lindos: enrubescer
  74. Durante um tempo Manoel de Barros morou na Rua do Amor
  75. Dúvidas em 1999
  76. E a mulher imagem-nada no mínimo instante de gozo do rapaz introspectivo
  77. E de choro, choveu
  78. E-Da continuidade virtual
  79. Egoísmo
  80. Eiva
  81. Ele é um fragmento de minha crença
  82. Epigrama sobre o abandono social
  83. Epigrama sobre o abandono social (anos depois)
  84. Epitáfio da oposição
  85. Esc_me
  86. Escatologia do homem mediano (tratado sobre os fins últimos do homem)
  87. Escritos espirituais
  88. Escritos espirituais II
  89. Esse tapa-olho dói
  90. Estou chegando
  91. Estudos dos animais
  92. Eu, o poeta e a pedra
  93. Eu, parado, sorrindo, sentindo dor: maníaco estupor
  94. Eu era o psiquiatra de deus
  95. Eu não sei descrever o que é amar (2° poesia sobre o amor para Carolina)
  96. Eu sou um nó
  97. Ex-voto
  98. Fantasmas
  99. Fasten seat belt while seated
  100. Filho prescrito ou Destempo
  101. Fim de tarde
  102. Figur und Hintergrund
  103. Flávio Viegas Amoreira
  104. Fwd_me ou O drama do poeta virtual
  105. Gozo
  106. Jardson Fragoso
  107. Jardson Fragoso II: o poeta e o monstro
  108. Jazz is the blues
  109. Juliana
  110. Humanidadeburguer
  111. Identidade na pós-modernidade
  112. Ímã de fragilidades
  113. Inevitável transfusão de Poesia: do poema à vivência do amor
  114. Insônia existencial
  115. Insônia Familiar Fatal
  116. Isso n. 01
  117. Isso n. 02
  118. Isso n. 03
  119. La-persegui
  120. Lágrimas (3° poesia sobre o amor para Carolina)
  121. Lágrimas II
  122. Links para um rizoma I
  123. Links para um rizoma II
  124. Links para um rizoma III
  125. Links para um rizoma IV
  126. Links para um rizoma V
  127. Links para um rizoma VI
  128. Links para um rizoma VII
  129. Mas me diz: eu te amo
  130. Mas por que eles fico? (Amigos Imaginários #2)
  131. Metáforas
  132. Metodologia
  133. Meu complexo de édipo
  134. Meu dia acabou
  135. Minha Carolina, minha menina, minha poesia
  136. Minha concertista
  137. Minha melhor poesia
  138. Minha poesia é para nunca
  139. Música? Diferenças
  140. Nada de novo
  141. Nanoannnothing
  142. Naquele último abraço
  143. O carro está descarrilhando
  144. O causo de Raimundo é o causo de todo mundo
  145. O papel materializa meu fantasma que embora seja-não-nascido-nunca emerge quando morro - as vezes às vezes - e sou apenas matéria úmida da terra - lavoura - as páginas dos livros que escrevi
  146. O primeiro suicídio kiriloviano de Ann Nothing
  147. O príncipe encantado e a heroína
  148. O rosto de Ann Nothing
  149. O segundo suicídio kiriloviano de Ann Nothing
  150. O susto
  151. O vazio de Ann Nothing
  152. Onde eles fui? (Amigos Imaginários)
  153. Os míopes
  154. Para quê e para quem falamos o que falamos?
  155. Para surtar onde é que entra?
  156. Pela revolução, sou cúmplice do tempo
  157. Pensamento de um palhaço melancólico ou O circo que alimenta o povo
  158. Poema geracional
  159. Poesia Dois
  160. Poetas malditos
  161. Poética I
  162. Poética II
  163. Poética III
  164. Poética IV
  165. Poética V
  166. Pra que serve a Poesia?
  167. Pré-história de amor
  168. Preâmbulo
  169. Precisa-se de mecenas
  170. Preciso de...
  171. Preciso de um rio que me leve
  172. Promessas para um ano que vem ou A vida como obra de arte
  173. Pscse
  174. Q.P.
  175. Quando o amor transforma-se em machado e sangue e muito sangue e bastante sangue
  176. Quando o dono da Venenaria se apaixonou por uma jovem senhora boderline
  177. Que palavras dizem meu amor? (1° poesia sobre o amor para Carolina)
  178. Quem?
  179. Quer o troco em livros?
  180. Questão de saudade pública
  181. Raciocídio
  182. Raça Rubro-Negra
  183. Re-pense fotologicamente
  184. Reconhecendo erro... por favor, aguarde...
  185. Repetições perdidas
  186. Rilke chega perto, entra e passa longe
  187. Rimbaud de supermercado
  188. Salafatralho
  189. Scholé
  190. Se eu morresse amanhã, essa seria minha última poesia
  191. Se eu pudesse me suicidaria todo santo-dia
  192. Se o Todo é o Ermo, não há a possibilidade de desenhar a borda do cículo ou Microssociologia de um flâneur ex-crito no círculo
  193. Seu corpo despojado sobre minha rede de significantes
  194. Sobre o suicídio
  195. Sobrestantivo
  196. Sofrer é uma condição em qualquer situação possível
  197. Son pleur
  198. Sou preto e espelho o mundo
  199. Suicídio escrito
  200. Tab tab tab tab...
  201. Tempo e amargura
  202. Temporalidade
  203. Tentativa de significar as tardes sem sentido
  204. The walking dead
  205. Todos meus corpos se me perseguem gozam (ou Relatos das relações psicóticas)
  206. Toedium Vitae
  207. Tolstói I
  208. Tracey Thorn
  209. Traição
  210. Traição II
  211. Trans.
  212. Tristeza
  213. Windows-Foucault
  214. Www.ah!
  215. Um adendo
  216. Um poeminha de preta
  217. Um resumo do livro sobre o desenvolvimento infantil das palavras de Manoel de Barros
  218. Um samba de Bob Dylan
  219. Um sono mais-que-humano
  220. Uma criança carrega outra...
  221. Uma drágea de Poesia de 6 em 6 horas
  222. Verbo constransitivo
  223. Vida Carolina