Um samba de Bob Dylan

Esperando a tarde acabar,
a noite passar e
a manhã ser,
sentado em um banco qualquer
de uma mesa qualquer
de um bar qualquer
em algum lugar desse mundo
seco.
Em outras épocas gloriosas
chamávamos esse cenário
de happy hour,
outrora ríamos 
enquanto as estórias tintilavam
escorrendo sobriedades.
Agora isso não passa
de minhas últimas
centenas de segundos
que esvaziam meus bolsos cheios
vazando minha desesperança
aos níveis mais elementares.
Essa noite irei levantar
deste banco e dançarei,
enquanto as almas tintilam
e amanhã serei
um samba de Bob Dylan.

Ramon Alcântara