Se eu morresse amanhã, essa seria minha última poesia

Ele morria todo santo dia,
escrevendo sua última poesia.
Rimava o mesmo verso
que nas outras já havia,
e se perguntava sempre:
Como seria?
E se eu morresse amanhã,
seu amor por mim como seria?
Na dúvida da resposta, renascia
com a esperança que ela amanhã o amaria
e que esses anos não foram apenas esquizofrenia.
Amanhã poderei morrer de alegria
ou a tristeza me deixará vivo mais um dia?

Incidentais:

"Se eu morresse amanhã, viria ao menos
fechar meus olhos minha triste irmã;
Minhã mãe de saudades morreria
se eu morresse amanhã!"

"Se eu pudesse por um dia
esse amor, essa alegria
eu te juro, te daria
se eu pudesse esse amor todo dia."


Ramon Alcântara