Poética III

Ser poeta é
ordinariamente
depois de um
árduo trabalho
cotidiano sentimental
recolher-se sempre novamente
no escuro infinitesimal
da sombra do ponteiro
do relógio que despertador
e na certeza das horas
amanhã ser eternamente
dia mais uma vez.

Ramon Alcântara