Ann Nothing is vanishing

A brevidade da morte imanente de Nothing ausenta. Corridas pelos corredores. Lenços que caem, lençóis que escorrem tempos in-recordáveis. Procura-se. Despreocupa-se. A filha da filha com a filha da filha. Incertezas. Ann sempre por ali, por assim dizer, muda. Furtiva, esquiva-se pra dentro de si. Uma elipse inversa e sem definição. Reticente, verborragia seca. Sumindo. Ann Nothing is death, ninguém sabe. Ela não diz nada. Nasceu trancada naquele quarto, presa naquele computador. Ninguém saberá, nunca. Autista misantropa anômica. Dada, mais tão dada à libertinagem solitária. Chat. Is vanishing. Não como as folhas marrons de seus velhos cadernos, mas com o cegueira branca da luz do papel branco. Blank page.


Ann Nothing is vanishing

Quase nuvem.
Semi-nua.
Sem pele.
Toda de todos.
Quase qua-.
Quase -se.
Sumindo como se morresse.
Como se sofresse.
Como se esse.
Diz aparece, quando suja.
Como vírus de puta com dor velha.
Fossa sem fundo.
Azul negro buraco.
Ann é a inversão da esperança
que não é a desesperança
mas sim aquilo que faz
sentimento de não esperar.
É o negativo da espera.
A inversão da saudade
que não é o alento da volta
nem muito menos o esquecimento
nem muito menos a indiferença
nem muito menos o amor eterno.
Ann é o negativo da saudade.
Sumindo como vento desfolhando uma poesia de Cecília Meireles.
A ausência repetina daquele desapercepido que não havia ido,
fantasma lacaniano.
Quase morrendo de excesso de luz.
Ann chove.

É a letra clara no fundo branco.

É a vista do míope em estupor melancólico,
que só as vezes,
nos seus tempos que não se contam,
percebem as alucinações.
Ann is vanishing
blank page.
Com a ausência de sua pertença.
Lenços que voam.
Alphonsus de Guimaraens.
is vanishing.
EQM.

Ramon Alcântara

___

Blank Page (Billy Corgan)

Blank page was all the rage
Never meant to say anything
In bed I was half-dead
Tired of dreaming of rest
Got dressed above the state line
Looking for you at the five and dime
Stop sign told me to stay at home
Told me you were not alone

Blank page was all the rage
Never meant to hurt anyone
In bed I was half-dead
Tired of dreaming of rest

You haven't changed
You're still the same
May you rise as you fall
You were easy, you are forgotten
You are the ways of my mistakes

I catch the rainfall
Through the leaking roof
That you had left behind
You remind me of that leak in my soul
The rain falls, my friends call, leaking rain on the phone

Take a day, plant some trees
May they shade you from me
May your children play beneath

Blank page was all the rage
Never meant to say anything
In bed I was half-dead
Tired of dreaming of rest
Got dressed above the state line
Looking for you at the five and dime
But there I was, picking pieces up

You are a ghost
Of my indecision
No more little girl