Dúvidas

Dúvidas em 1999

Felicidades ou tristezas, falhas ou proezas.
Sem entender a existência,
continuo a viver.
Sem entender a vida,
continuo a fazer, o que fizeram antes de mim,
sem entender por quê fizeram.
Ainda não sei onde começaram as dúvidas
e os outros, que pelas sombras percebe-se
que estão ao meu lado, também não sabem.
Duvidar do que nos falam não é errar.
Pois o saber não faz parte desse mundo.
E sem entender o saber,
continuo a duvidar.
Sem entender as dúvidas,
resolvi não existir e expeli do meu corpo
a minha essência, assim envenenando, sufocando
e devorando o nada que eu sei.

Ramon Alcântara



A 1° grande agonia pós-duvidistas

Eu sou algo mais
que corpo, mas não sou alma.
Sou algo mais
que alma. Que sou?

Pois se meu corpo adoece,
continuo sendo... (nada).
Se macula a minha alma. Contínuo.

Muito mais que escrevo:
a grande certeza...

Que penso: a agonia...

- Reler Dúvidas já não
me a-mortalizaria.

Esfarelando-me como
pó em dedos: a agonia...

Não termino a Poesia...

Ramon Alcântara


A 2º grande agonia pós-duvidistas

Fruto embrutecido.
Hoje sou então carvão.

Pedra carcomida.
Me debato com a minha exatidão.

Cinza e poeira.
Me espalho sem razão.

Encontrem-me,
vida que antes era em vão.

Ramon Alcântara




+ Misha Gordin: http://www.bsimple.com/home.htm